Methodology

Neste projecto será privilegiada a recolha de dados primários, ou seja, os dados linguísticos em bruto, não filtrados ou analisados segundo determinados pontos de vista ou teorias, com vista, por um lado, a retratar de forma o mais fidedigna possível a realidade linguística que o minderico representa e, por outro, a permitir o controlo claro das análises e conclusões apresentadas. Esses dados serão complementados com dados secundários já existentes ou a criar (por exemplo, as explicações de alguns lexemas apresentadas pelos autores/editores dos glossários existentes na comunidade, as anotações de carácter morfossintáctico, semântico, pragmático e histórico-cultural que a equipa de investigação irá fazer e os metadados de tipo catálogo, descritivo, estrutural, técnico e administrativo que acompanharão cada dado recolhido, permitindo mais facilmente a sua futura localização na base de dados). Assim, para a elaboração do dicionário recorrer-se-á a vários métodos de inventariação, a saber:

  • Entrevista livre, em registo fonográfico e/ou videográfico, sobre diversos temas do quotidiano (família, juventude, profissão, tempos livres, comida, festas, etc.) e temas técnicos (produção e venda de mantas, nas feiras e não só).
  • Entrevista com estímulo, em registo fonográfico e/ou videográfico: serão utilizados estímulos variados como fotografias de paisagens, situações, objectos, pessoas para descrição, objectos concretos cuja utilização e história (quando se aplique) devem ser descritas.
  •  Elicitação lexical, gramatical e pragmática: serão para isso utilizadas listas de palavras de vários grupos semânticos e listas de diferentes construções gramaticais (por exemplo conjugação verbal, colocação e gradação dos adjectivos e advérbios, etc.) a trabalhar com os informantes.
  • Recolha de fontes linguísticas: serão pesquisados e analisados todos os textos, glossários e notas existentes em minderico e sobre o minderico.
  • Registo fotográfico de objectos, pessoas, ruas, eventos, etc. necessário à exemplificação dos lexemas.
  • Recolha de fontes históricas, biográficas e topográficas: serão consultados e analisados os arquivos locais (paroquiais e privados), regionais (principalmente o da Biblioteca de Alcanena e da Biblioteca de Porto de Mós), distritais (o Arquivo Distrital de Santarém e de Leiria) e nacionais (a Torre do Tombo) na procura de informação que ajude a explicar o léxico minderico, sua formação e evolução.

As gravações áudio e vídeo serão feitas em formatos não comprimidos e não proprietários para assegurar a perpetuação do dicionário no tempo, a acessibilidade aos dados multimédia, a qualidade dos registos e a sua análise. A gravação áudio será feita em PCM Linear (.*wav), 44.1 kHz e 24bit – requisitos para uma análise fonética de qualidade. As gravações vídeo serão feitas em AVI. Tendo em conta as capacidades de memória que este formato obriga, depois de analisados e processados, os vídeos serão convertidos para MPEG 4 para a sua distribuição no dicionário. A versão em AVI será mantida, porém, no servidor do CIDLeS para futuras investigações.

Ao longo da inventariação do léxico minderico e tudo o que com este se relaciona intimamente serão ainda usados três tipos distintos de participação nos eventos comunicativos a documentar:

a) Observação-participante activa: o investigador interage directamente com os informantes na situação que observa (por exemplo nas entrevistas) – este será o tipo de participação mais frequentemente utilizado;

b) Observação-participante passiva: o investigador apenas grava o evento comunicativo sem interagir com os informantes (por exemplo, na gravação de conversas de grupo ou diálogos entre dois ou mais informantes);

c) Observação não-participante: um dos membros da comunidade fará a documentação segundo instruções do investigador. Assim, evita-se a influência que a presença do investigador pode ter no evento comunicativo a documentar (o chamado “paradoxo do observador”) e, por outro lado, dá-se formação ao informante no sentido de garantir a auto-documentação, por parte da própria comunidade de falantes, mesmo depois do final do projecto. Este será o tipo de participação usado com menos frequência.

Imagem 1: Exemplo do registo videográfico de um evento comunicativo com observação-participante activa (da esquerda para a direita: Vera Ferreira [investigadora] – Celeste Moura [informante])

Imagem 2: Exemplo do registo videográfico de um evento comunicativo com observação-participante passiva

As gravações áudio e vídeo dos eventos comunicativos serão transcritas usando para isso a ortografia tradicional adoptada nas publicações mindericas existentes, com algumas correcções e adaptações. Das transcrições serão extraídas listas de palavras que serão posteriormente complementadas com as listas dos glossários e com as listas extraídas de textos em minderico. Dessas palavras será feito um registo fonográfico individualizado, recorrendo à elicitação fonética. Todos os lexemas serão inseridos na base de dados.

Imagem 3: Exemplo do registo fonográfico individualizado de “gargantear à do francisco vaz” (pt. “cantar à missa”) no programa Audacity

Hardware and Software

Para os registos fonográficos será utilizado o dictafone Olympus LS-10 que permite uma gravação de alta qualidade, respeitando os requisitos supracitados e em formato não comprimido. Os registos videográficos serão efectuados em alta definição com uma Canon HV-30 e respectivo tripé (Velbon DV-70000). Para manter a qualidade áudio destes registos será usado ainda um microfone externo cardióide (Sony ECM-MS957). Tanto nas gravações áudio e vídeo como no processamento dos dados daí extraídos serão usados os auscultadores fechados Sony MDR-V500. Os registos fotográficos, inclusive a recolha de fontes históricas cuja reprodução só é permitida através de fotografia, serão feitos com uma Canon G10 e respectivo tripé. 

Ethical issues

Qualquer trabalho de inventariação do património cultural, principalmente quando se trata do trabalho directo com uma comunidade de falantes, implica uma reflexão acerca de várias questões de carácter ético.

Neste sentido, todo o trabalho de documentação e inventariação para o dicionário respeitará não só a língua em si enquanto objecto de estudo, como também a sua comunidade  e as opiniões de todos os intervenientes. Os investigadores seguir-se-ão pelo código de conduta estabelecido pelo Max Planck Institut de Nijmegen para projectos de documentação linguística. Os informantes que contribuam com o seu saber linguístico e cultural, participando directamente no projecto, serão sempre informados detalhadamente sobre o processamento e divulgação dos seus dados pessoais e dos dados linguísticos que facultam. Jamais será feita qualquer gravação sem o consentimento à priori dos intervenientes. Antes de qualquer gravação, todos os informantes assinarão uma declaração de consentimento na qual devem assinalar se aceitam ou não que as suas identidades sejam divulgadas e na qual consta que:

  • podem interromper e terminar a qualquer momento as gravações áudio e vídeo sem qualquer prejuízo para si;
  • as gravações áudio e vídeo serão publicadas de forma anónima (se assim for desejado) e usadas para fins académicos, de investigação, de inventariação e de apresentação, bem como para o desenvolvimento de materiais e actividades de revitalização do minderico;
  • todos os direitos sobre as gravações áudio, vídeo e fotografias são concedidos ao CIDLeS - Centro Interdisciplinar de Documentação Linguística e Social.

CIDLeS Homepage

Support Us

CIDLeS on Facebook: cidles.eu/fb